Blog do Maia

02/07/2012

A música virou artesanato; ainda bem!

Passei grande parte da minha vida dedicando-me à música em todas as suas formas: da criação à expressão; com uma dose de empirismo e outra grande dose de academicismo, o que me deixa a vontade para não merecer o título de um músico frustrado que divaga ressentimentos sobre música dos outros. De produtor a divulgador, ouvi toda sorte de absurdos e coerências que a minha formação de comunicador pôde apreciar com a distância semiótica necessária. Se esta introdução parece hermética ou fugaz, o sentido é só resumir que sob minha ótica, vivemos no melhor de todos os mundos da realidade musical. Nunca foi tão fácil produzir, gravar e distribuir música; some a isto, ainda, a facilidade de ter um instrumento e um lugar para ensaiar.

Mas o fato dessas facilidades criar a imobilidade é outro problema; sempre afirmei que não há nada mais apavorante em escrever uma redação quando o título é “Tema Livre”. O que acontece hoje é simplesmente isso: ter “meio”, e não ter “mensagem”. Procurado por centenas de bandas, raramente fui surpreendido e mais raramente ainda respondido quando fazia a simples questão: “Qual sua intenção?”.

Impossível começar algo sem atitude ou coragem; na minha adolescência, fiquei na dúvida entre o visual e o sonoro, ou seja, amava fotografia e fui estudar muito sobre o assunto, até que um dia um professor definiu: “Fotografar é ter coragem!”. Isso me fez ver que não há nada mais direto do que você “roubar” a imagem de algo de uma forma tão explícita e no mundo onde praticamente todo mundo tem uma câmera na mão, quantos têm ideias na cabeça? Será que temos a noção do nosso poder atual de produção?

Voltando à música, que acabou sendo meu caminho, ainda que tortuoso, durante os últimos 40 anos, tenho visto surgir selos cada vez mais interessantes e com produções que beiram o artesanal, tudo emocionante e maravilhoso; surgem sites musicais interessantíssimos, surgem lugares para tocar, inúmeras bandas, rádios online, enfim toda sorte de meios, com um único defeito: pouca interação entre si; não digo algo do tipo “brodagem” (abominável palavra), que no Brasil é um sinônimo para definir a subserviência entre os membros do mesmo “clubinho”; discordar é preciso, assim como criticar, portanto, o que falta aqui é a chamada ”cena”. O segredo da Internet foi criar um protocolo que permitiu os mais diversos tipos de computadores falarem entre si, mas aqui os pares não falam entre si, competem migalhas; triste realidade, enquanto os estabelecidos propagam sua estética pobre e vazia.

 Esta busca por uma “cena”, essa valorização do esforço individual para que ele se torne um caminho de um coletivo vai ser o nosso caminho aqui nesta coluna. Vamos falar, um pouco, sobre esses novos heróis cheios da palavra que falta na maioria do meio musical atual: “atitude”; algo que se tem ou não, que não se compra , não se finge, não está nos adereços, está na alma…

Por Roberto Maia às 10h32


Momento Maia 125 no ar pela Rádio UOL!

Confira! Tesouros perdidos da música pop; milhares de listas apontam grandes cações de grande artistas que ficaram esquecidas em algum lado B, em alguma edição especial ou mesmo em um disco consagrado que acabaram preteridas por outras musica que viraram sucesso. Ouça vinte exemplos de artistas como David Bowie, Lou Reed, PJ Harvey, T. Rex, The Fall, The Stone Roses, The Who, The Jam e Sex Pistols.

Relação de Bandas, Músicas e Discos:

• David Bowie – Rock ‘N’ Roll With Me (Diamond Dogs - 1974) • Lou Reed – I Want To Boogie With You (The Bells - 1979) • T.Rex – Golden Belt (Bolan’s Zip Gun) • Pj Harvey – Sheela-Na-Gig (Dry -1992) • The White Stripes – Jolene (Under Great White Northern Lights 2010) • Wilco – Kicking Television (A Ghost Is Born Ep – 2005) • R.E.M. – So Fast, So Numb (New Adventures In Hi Fi -1996) • Liz Phair – Fuck & Run (Exile In Guyville – 1993) • Ryan Adams – The Bar Is A Beautiful Place (Gold -Ltd Edition -2001) • Husker Dü - Sorry Somehow (Candy Apple Grey - 1986) • Foo Fighters – Baker Street (Single -My Hero/B Side -1998) • Sex Pistols - Did U No Wrong (Kiss This - 1992) • The Stone Roses – All Across The Sands (The Complete Stone Roses – 1987) • The Fall – Lost In Music (The Infotainment Scan – 1993) • Arctic Monkeys - Bigger Boys And Stolen Sweethearts (Single: Bet You Look Good On The Dance Floor – 2005) • The Who – Circles (My Generation - Deluxe Edition - 2002) • The Jam – The Butterfly Collector (Snap -Deluxe Version 1983) • Jarvis – Running The World – (Jarvis -Hidden Track -2006) • Jeff Buckley – I Shall Be Released – (Live At Sin-E -Deluxe Edition - 2011) • The Auteurs – Unsolved Child Murder (After Murder Park -1996) Conheça a página do Programa Momento Maia na Rádio UOL!

Ouça aqui a edição nº125

 

Por Roberto Maia às 10h25

Sobre o autor

Roberto Maia é jornalista e engenheiro, com especialização em História da Arte e Chief Information Officer. Dedica-se à relação entre comunicação e tecnologia. Atua como jornalista na área cultural há 30 anos. Trabalhou durante 14 anos como Diretor Artístico da Brasil 2000 FM. Foi o representante oficial no Brasil do CMJ (College Media Journal de New York), o maior complexo de música alternativa do mundo.

Sobre o blog

Um blog para ser ouvido e visto. Faz uma filtragem do mundo da música pop sob a ótica de um dos maiores pesquisadores e colecionadores de música do Brasil.

Histórico

Site Meter